?> Laboratório Plinio Bacelar

Vitamina D

A Vitamina D3, ou colicalciferol, é um hormônio sintetizado na pele através de uma reação de isomerização catalisada pela radiação ultravioleta. Na sua forma ativa estimula a absorção intestinal de cálcio, atua sobre a mineralização óssea e regula a síntese e secreção do paratormônio (PTH). A diminuição do cálcio circulante por queda na absorção intestinal por falta de vitamina D aumenta a síntese de PTH. Esse hiperparatiroidismo secundário à hipovitaminose D é responsável por um comprometimento da qualidade óssea, associando-se a um maior risco de fraturas.

A população geriátrica é mais sensível à hipovitaminose D por vários motivos, dentre eles por se expor menos ao sol, ter sua capacidade de produção cutânea de vitamina D reduzida, alimentar-se de forma inadequada, absorver menos vitamina D pelo trato gastrintestinal, usar múltiplas drogas que interferem na absorção e metabolização da vitamina D e apresentar comprometimento renal. Dentro deste grupo, pacientes institucionalizados têm um risco ainda maior para essa situação que se reflete em um aumento de até 10,5 vezes no risco de fratura.

Dados mundiais mostram que 5% a 25% da população idosa independente e 60% a 80% dos pacientes institucionalizados são deficientes ou insuficientes em Vitamina D. Os valores de PTH correlacionam-se de maneira inversa 'as concentrações de vitamina D tanto em idosos quanto na população jovem, e a alta prevalência de hipovitaminose D se correlacionou com o hiperparatiroidismo secundário.

Sabendo-se que a reposição de cálcio e vitamina D tem efeito protetor sobre a massa óssea, torna-se relevante a identificação de pacientes com risco de hipovitaminose D, para que haja uma adequada reposição atuando como mecanismo preventivo sobre o risco de fratura.
O RDA (Recommended Dietary Allowance) recomenda uma ingestão diária de 400 UI para pacientes entre 50 e 70 anos e de 600 UI para aqueles com mais de 70 anos, que corresponde a 20 minutos de exposição diária de 5% da superfície corpórea. As fontes alimentares de vitamina D são pobres, e os alimentos mais ricos neste pré- hormônio (peixes de águas frias e cogumelos) não fazem parte de nosso cardápio habitual.

Novas pesquisas mostram como a Vitamina D é importante, não apenas para a absorção do cálcio, mas também para a manutenção de um sistema imunológico saudável e um controle das respostas às inflamações. Estudos recentes têm demonstrado uma associação entre níveis de Vitamina D e um grande número de doenças, do diabetes à asma, ao câncer.

A Vitamina D é absorvida pelo intestino como uma gordura. Portanto, ela também é utilizada para monitorar pessoas com doenças que interferem na absorção de gordura, como a fibrose cística e a doença de Crohn.

O Institute of Medicine recomenda um nível de soro de 20 nanogramas por mililitro. Alguns especialistas em ossos e pesquisadores da Vitamina D acreditam que 30 ng/mL é o melhor**. Um estudo clínico patrocinado pelo NIH está atualmente testando o uso de 2.000 IUs de Vitamina D diariamente como medida preventiva contra doenças cardíacas, câncer e AVCs.

Os grupos de risco para deficiência de vitamina D são constituídos por:

  • Pessoas com pouca exposição ao sol (pessoas que trabalham em escritório, por exemplo);
  • Certos grupos da população, como pessoas idosas, gestantes, bebês alimentando exclusivamente com leite materno e pessoas de pele escura;
  • Pessoas com determinado problemas de saúde, como obesidade e doenças renais crônicas;
  • Pessoas que tomam, de forma contínua, medicamentos esteroides, anticonvulsivantes e antirretrovirais do tratamento de HIV.

Os níveis séricos de Vitamina D podem ter relação com a incidência posterior de diabetes tipo 1. É o que sugere um estudo que durou seis meses, realizado na School of Medicine - UCSD (University of California - San Diego - http://som.ucsd.edu) USA. A pesquisa pretende reforçar o papel preventivo da vitamina contra essa doença.

Fontes:
ScienceDaily;
Lower prediagnostic serum 25 - hydroxyvitamin D concentration is associated higher risk of insulin-requiring diabetes: a nested case-control study, Dec. 9/2012;
Ortho Clinical Diagnostics - Johnson&Johnson.

NOTÍCIAS


Prêmio Melhores Práticas 2017

Prêmio Melhores Práticas 2017

Saiba mais

Recebendo os parabéns!

Recebendo os parabéns!

Saiba mais

Apoio ao Novembro Azul!

Apoio ao Novembro Azul!

Saiba mais

LABORATÓRIO DE PESQUISAS CLÍNICAS PLINIO BACELAR

Rua José do Patrocínio, 99 - Centro
CEP 28010-385 | Campos dos Goytacazes | RJ

NMaster | Soluções em Tecnologia